terça-feira, 18 de agosto de 2009

VIVER BEM COM DIABETES: DESAFIO POSSÍVEL

Com a evolução da medicina, muitas doenças crônicas que antes limitavam a qualidade de vida passaram a ser encaradas de uma nova forma. Com a adequada adesão ao tratamento e determinação para adotar um estilo de vida saudável, viver bem com Diabetes já é realidade. Em tempo: o Diabetes Mellitus acomete 7,6% dos brasileiros, sendo que aproximadamente metade desconhece ter a doença.

O jogador Washington Stecanella é um exemplo. Ele venceu as limitações de uma cardiopatia e do diabetes, tornando-se o artilheiro do Campeonato Brasileiro de Futebol 2004. Por conta de sua história, ganhou o apelido de Coração Valente. "Vemos que, quando o paciente encara a situação de frente e segue as orientações médicas, pode desfrutar de uma vida prazerosa", destaca a psicóloga Cinthia Prata, do Programa Gestor da Amil, que disponibiliza uma equipe multidisciplinar para acompanhamento personalizado aos clientes que demandam cuidados especiais.

Uma pessoa que recebe a confirmação de um diagnóstico de diabetes precisa adotar alguns hábitos. A mudança na alimentação, a prática de atividades físicas e o controle da glicemia são as principais medidas. Cabe destacar, que das três, duas devem ser adotadas por todos que desejam alcançar a longevidade, com qualidade: os cuidados nutricionais e o abandono do sedentarismo.

Alimentação - A dieta adequada ao indivíduo com diabetes compreende a ingestão de pouca gordura saturada, sal e açúcar; poucas calorias; muitas frutas, legumes e verduras; e alimentos integrais. Das orientações gerais, destacam-se: seguir corretamente o número de refeições, as quantidades e os horários prescritos; evitar alimentos com açúcar refinado (bolos, biscoitos recheados, chocolates, balas, mel etc) e gordurosos (bacon, toucinho, banha, pele, frituras, carnes gordurosas etc); comer carnes magras, assadas, cozidas ou bifes grelhados; evitar o consumo de mortadela, salame, salsicha, presunto e alimentos em conserva. Para resultados adequados, é recomedado o acompanhamento de um nutricionista.

Exercícios - Para a pessoa com diabetes, a atividade física traz diversos benefícios imediatos e tardios. Entre as vantagens que ocorrem logo no primeiro dia, estão o aumento da ação da insulina e a diminuição da glico-se sangüínea. Já os principais benefícios tardios são: o incremento das funções cardio-respiratórias, da força e da resistência.

Controle da Glicemia - Quanto à monitorização dos níveis glicêmicos, a Sociedade Brasileira de Diabetes destaca que tal prática contribui para uma menor necessidade de medicamentos. "É necessário manter os níveis de glicose entre 80 e 110 mg/dl em jejum e até 140 mg/dl após as refeições. Por mais desagradável que possa parecer furar o dedo algumas vezes ao dia, trata-se de um instrumento insubstituível para a manutenção da saúde", explica o endocrinologista André Mascarenhas.

O médico não é econômico nas dicas. "Informe-se sobre sua doença, leia o máximo possível de artigos e reportagens, ouça atentamente os conselhos dos profissionais durante as consultas. Essa área, como outros ramos da medicina, é muito dinâmica, apresenta uma constante evolução", compartilha Dr. André. "Vale lembrar que viver é um constante aprendizado e que, cada indivíduo deve encarar suas limitações como um desafio, sejam elas decorrentes do diabetes ou de qualquer outra situação", conclui.