sexta-feira, 26 de junho de 2009

PERIGO DA BANALIZAÇÃO DO ESTRESSE


Lidamos todos os dias com uma incrível confusão interna. São vozes competitivas e sem corpos, todas batalhando por atenção; um constante bombardeamento de estímulos; as engrenagens afiadas do esforço mental; a cabeça funcionando incessantemente além do horário.

Nunca na história da humanidade uma quantidade tão significativa de indivíduos compartilhou com tanta persistência uma visão na qual a mudança rápida e voraz é a constante que define a condição humana, assim com toda essa pressão interior, o estresse e a ansiedade estão alcançando enormes proporções, nossos cérebros são a base para o congestionamento mais nocivo de todos os tempos: um fluxo inevitável de mentes aceleradas pela tecnologia colide com uma psique humana casa vez mais exaurida.

Segundo a dr. Ana Maria Maurat, a saúde mental é uma das primeiras vítimas da era moderna, no entanto preocupa a forma como a sociedade lida com o estresse, para a especialista é importante saber que o estresse é um dos principais desencadeadores de outros transtornos mentais, ao vulgarizar o estresse como algo banal, a sociedade e os cidadãos acometidos pelo transtorno saem prejudicada.

O Centers For Disease Control and Prevention afirmam que 80% dos gastos médicos atuais nos EUA são relacionados ao estresse. Para o dr. Herbert Benson, da Harvard Medical School, um expoente na medicina complementar, o número pode chegar a 90%.Infelizmente no Brasil não dispomos de pesquisas que possam auferir o real número de cidadãos que sofrem com o estresse, mas é possível afirmar que devido à condição social e à criminalidade que todos estamos vulneráveis, os números não são diferentes, afirma a especialista.

CurrículoAna Maria Maurat, é médica, especialista em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenadora Técnica da Clínica Maurat Serviços Médicos Ltda, em Ipanema – Rio de Janeiro.