sábado, 8 de agosto de 2009

CARDIOLOGISTA E NUTRÓLOGO DO HOSPITAL DO CORAÇÃO ESCLARECE A DIFERENÇA ENTRE O BOM E O MAU COLESTEROL PARA SAÚDE

Dr. Daniel Magnoni dá dicas para o controle do colesterol no Dia Nacional de Combate ao Colesterol, 08 de agosto.

O colesterol é uma substância necessária ao nosso organismo, mas quando suas taxas no sangue se elevam, tornar-se um perigoso fator de risco. Ele é o resultado do metabolismo das gorduras saturadas com algumas subdivisões, sendo duas importantes: HDL, o bom colesterol, e LDL, o mau colesterol. O nível do LDL pode estar elevado por dois fatores principais: o genético e a dieta. O fator genético é o mais importante, porém dietas inadequadas também elevam o coleterol ruim.

"A maior parte do colesterol é fabricada pelo próprio corpo, cerca de 70%, no fígado, enquanto que apenas 30% provém da alimentação. Existem pessoas que já nascem geneticamente destinadas a serem grandes produtoras dessa substância. O colesterol não tem nada a ver com excesso de peso, pois indivíduos magros podem ter níveis de colesterol alto. O colesterol só existe nos alimentos de origem animal entre os mais ricos em gorduras saturadas temos: carnes, frutos do mar, miúdos, gema de ovo, leite e derivados, lingüiça, salsicha, salame e presunto, enquanto os óleos e azeites comuns não têm colesterol", explica o cardiologista e nutrólogo do HCor, Dr. Daniel Magnoni.

Segundo o nutrólogo, o bom colesterol é fundamental para a vida porque faz parte da constituição da membrana celular (capa que reveste as células dos tecidos) e constitui-se em matéria prima para a fabricação da bile, dos hormônios e da vitamina D e seu excesso é que o torna danoso. No sangue ele pode estar livre ou fazendo parte das chamadas lipoproteínas (aglomerado de colesterol, proteínas e gorduras que circulam pelas artérias e veias). O LDL é o que participa da formação das placas de gordura (aterosclerose) que obstruem as artérias.

"Os alimentos funcionais elevam o colesterol bom diminuindo o ruim. Para reduzir o colesterol é preciso comer mais fibras, frutas com casca e verduras, cereais, grãos, aveia, alimentos integrais, soja e maçã. É importante eliminar o consumo de maionese, preparações a base de coco, bolachas recheadas e alimentos cremosos. Outra dica importante é ler com atenção os rótulos dos alimentos e evitar os que contêm gorduras saturados e hidrogenadas e comer alimentos mais grelhados e cozidos", explica o especialista.

A diferença do bom e ruim - Engana-se quem vê o colesterol apenas como vilão. Na verdade, trata-se de uma gordura muito importante para o funcionamento do organismo. Há dois tipos: o HDL, que protege o organismo. Já o LDL, chamado de colesterol ruim, é responsável pela formação de placas que, com o tempo, obstruem as artérias", esclarece Dr. Daniel Magnoni, chefe do setor de nutrologia e nutrição clínica do HCor -Hospital do Coração.


Dicas do cardiologista e nutrólogo do HCor para o controle do colesterol:

1) Alterar todo o consumo de leite e derivados para as versões desnatadas. Na corrida da indústria alimentícia para atender a demanda de alimentos nutritivos, menos calóricos e com sabor agradável, o leite e seus derivados estão bem adiante. Os leites e iogurtes desnatados, os queijos magros e com baixo teor de colesterol, as margarinas sem gordura trans hidrogenadas e com adição de fitosteróis, as maioneses sem colesterol têm chegado ao mercado atendendo essa demanda de sabor e nutrição, com baixas calorias;

2) Aumentar o consumo de fibras solúveis, uma vez que é benéfica ao metabolismo em geral e ao das gorduras, em especial;

3) Reduzir o consumo de carne vermelha e de proteína animal, porque geralmente estes alimentos são consumidos acima das recomendações médicas (20% do valor calórico total ou em torno de 0,8-1,0g de proteína/kg/dia). O hábito do brasileiro de organizar um churrasco, a cada final de semana, faz das carnes vermelhas as grandes fontes de colesterol;

4) Evitar o consumo de camarão, frutos do mar e vísceras como fígado;

5) Diminuir o consumo diário dos ovos (limitá-los a três por semana), pois uma gema de ovo de galinha contém, em média, 300mg de colesterol, quantidade máxima recomendada de ingestão de colesterol para um dia inteiro. Sorvetes, doces gordurosos e bolos que levam ovos e manteiga em suas receitas também são ricos em colesterol;

6) Reduzir o consumo de massas, pães e doces em geral;

7) Reduzir o consumo calórico.