segunda-feira, 3 de agosto de 2009

ESTUDO MOSTRA QUE OS BLOGS PODEM SER IMPORTANTES FONTES PARA SE MEDIR O GRAU DE FELICIDADE DE GRANDES POPULAÇÕES

ESTUDO MOSTRA QUE OS BLOGS PODEM SER IMPORTANTES FONTES PARA SE MEDIR O GRAU DE FELICIDADE DE GRANDES POPULAÇÕES
Por Dr. Ricardo Teixeira *


Em fins do século XIX, o economista irlandês Francis Edgeworth imaginou uma máquina que poderia ser capaz de medir o grau de felicidade de um indivíduo, à qual ele deu o nome de hedonímetro. De fato, cientistas sociais têm quebrado a cabeça há muito tempo para criar métodos capazes de medir a felicidade, e uma das maiores limitações para desenvolver a ferramenta ideal é que as informações são menos fidedignas quando o indivíduo sabe que está sendo testado.

Um cientista da computação e um matemático da Universidade de Vermont nos EUA criaram um tipo de hedonímetro capaz de avaliar o grau de felicidade em gigantescas amostragens da população, sem o conhecimento de quem está sendo testado, e seus resultados acabam de ser publicados no periódico Journal of Happiness Studies. Os pesquisadores analisaram um banco de dados de emoções humanas conhecido por We Feel Fine ("nós nos sentimos bem" - www.wefeelfine.org ) que desde o ano de 2005 concentra diariamente 15 a 20 mil novas expressões do sentimento humano provenientes de blogs, incluindo frases escritas na primeira pessoa que contenham a palavra feel (sinto). Foram ainda analisadas 232 mil letras de músicas de mais de 20 mil artistas entre os anos de 1960 e 2007 através do portal www.hotlyrics.net.

Cerca de dez milhões de sentenças receberam uma nota para seu teor de felicidade, dentro de uma escala de 1 a 9 através de metodologia previamente desenvolvida (Estudo ANEW). Nessa escala, por exemplo, a palavra triunfante tem pontuação de 8.87, enquanto a palavra rua tem 5.22 e suicídio 1.25. Entre inúmeros achados, os pesquisadores demonstraram uma redução do grau de felicidade nas letras de músicas ao longo das últimas décadas. Por outro lado, o grau de felicidade nos blogs teve um crescimento sustentado desde o inicio da análise em 2005 até 2009. Foi possível também identificar algumas datas em que o nível de felicidade foi fortemente diferente dos dias que as antecederam ou que as sucederam. Observou-se um pico de maior felicidade nos dias de natal, dia dos namorados, última eleição americana e um pico de queda nos dias próximos à morte do astro Michael Jackson e nos dias próximos ao 11 de setembro. O nível de felicidade não foi diferente entre mulheres e homens, apesar das mulheres apresentarem maior variabilidade. Além disso, o grau de felicidade foi maior em países mais próximos ao equador.

É evidente a importância de se medir a intensidade e a natureza dos estados emocionais em nível populacional e a ferramenta desenvolvida no presente estudo mostra-se muito promissora para o melhor entendimento de fenômenos sociais e econômicos, além de poder apoiar a construção de políticas públicas. Danforth, um dos autores do estudo, revela: " As crianças de hoje herdam um mundo eletrônico que ainda não conhecemos bem, e é fundamental o desenvolvimento de novas ferramentas para entender esse mundo".


Dr. Ricardo Teixeira é Doutor em Neurologia pela Unicamp. Atualmente, dirige o Instituto do Cérebro de Brasília (ICB) e dedica-se ao jornalismo científico em saúde. É também titular do Blog "ConsCiência no Dia-a-Dia" - www.consciencianodiaadia.com.