domingo, 10 de janeiro de 2010

Macrobiótica Zen - Capítulo III

CAPÍTULO III

( Transcrição completa do Livro de George Ohsawa)


AS SETE CONDIÇOES ESSENCIAIS DA SAÚDE E DA FELICIDADE

Antes de seguir nas minhas orientações sobre o regime, convém examinar o vosso estado de saúde, segundo as sete condições se­guintes: As três primeiras são fisiológicas. Se as satisfizerdes, tereis 15 pontos., 5 para cada uma. Pela quarta, quinta e sexta, de natureza psicológica, deveis receber 10 pontos de cada; a sétima, a condição mais importante de todas, podeis obter 55 pontos. Ao todo, deveis totalizar 100 pontos. Se, de início, obtiverdes mais de 40 pontos, considerai‑vos em boa forma, e, se ganhardes 60 pontos em três meses, será um grande sucesso. E assim por diante. Começai, porém, fazendo este exame, antes de iniciardes o regime macrobiótico, e nova­mente no começo de cada mês. Desta forma podereis observar vosso progresso, segundo o rigor com o qual tiverdes aplicado o regime.
Tentai esse teste com os vossos amigos, e ficareis surpreendidos ao verificar que alguns deles, apesar de sua boa aparência, estão com péssima saúde.

1. AUSÊNCIA DE FADIGA

Não deveis sentir‑vos cansados. Se sois propensos a resfriados, isso quer dizer que o vosso organismo está cansado há muitos anos. Mesmo se apanhardes um resfriado de dez em dez anos, isto é um péssimo sinal, porque não existe pássaro nem inseto que apanhe resfriado, mesmo nos países frios. A raiz de vosso mal é, pois, muito profunda. Se fordes propenso a dizer seguidamente: “é muito difícil! “ ou “é impossível!” ou “eu não estou preparado para isto ou aquilo” pondes à mostra o grau de vosso problema. Se, na realidade, tivésseis boa saúde, poderíeis superimpor‑vos e desbaratar as dificuldades, uma após outra, como um cão perseguindo uma lebre. Se fugirdes, no entanto, das dificuldades maiores, sois um derrotista. Temos que ser aventureiros nesta vida, pois que o hoje avança sem parar no amanhã, o desconhecido, e quanto maior a dificuldade, maior o prazer. Esta atitude é sinal de libertação da fadiga que é a verdadeira causa de todas as doenças. Podereis curá‑las facilmente, sem medicamentos, se puderdes compreender e praticar corretamente o método macro­biótico de rejuvenescimento e longevidade.

2. BOM APETITE

Se não puderdes comer qualquer alimento simples com alegria, prazer e com profunda gratidão para com o Criador, é sinal que vos falta o apetite. Se achardes apetitoso um simples pedaço de pão inte­gral, ou um prato de arroz integral, isto indica que tendes um bom apetite e um bom estômago. Um bom apetite, inclusive o sexual, é a própria saúde.
O apetite sexual e sua prazerosa satisfação é uma condição es­sencial da felicidade. Se um homem ou uma mulher não têm apetite nem prazer sexual, é que ele ou ela são estranhos à lei da vida, ao Yin‑Yang. A violação desta lei por ignorância só poderá conduzir à doença e às perturbações mentais. Os puritanos são pessoas impo­tentes e, por isso, detestam a sexualidade e, como todos aqueles que são tristes e descontentes, interior ou exteriormente, não entrarão nunca no reino do céu.

3. SONO PROFUNDO

Se falardes dormindo ou tiverdes sonhos, vosso sono não é pro­fundo e bom. Ao contrário, se quatro a seis horas de sono vos sa­tisfizerem plenamente, vosso sono é saudável. Se não conseguirdes pegar no sono, três ou quatro minutos após terdes deitado a cabeça sobre o travesseiro, a qualquer tempo e em qualquer circunstância, significa que vossa mente não está livre de algum medo. Se não puderdes acordar na hora fixada mentalmente, ao deitar, indica que o vosso sono foi imperfeito.


4. BOA MEMÓRIA

Se não esquecerdes nada do que vistes ou ouvistes, é sinal de boa memória.
A memória é o fator individual mais importante de nossas vi­das, o fundamento de nossa personalidade, a bússola de nossa exis­tência. Sem uma memória robusta, sem um armazenamento de me­mórias as mais diversas, nada mais somos que máquinas cibernéti­cas. Por exemplo, crianças pequenas, fascinadas pelo fogo e incapazes de resistir ao impulso de tocá‑lo, terminam sofrendo quei­madura. A memória desta experiência em geral f az com que mani­pulem o fogo com cuidado durante o resto de sua vida.
Por conseguinte, o comportamento humano, para que não termi­ne ou resulte em desgraça, depende do julgamento sadio. O discerni­mento sadio, por sua vez, depende da experiência memorizada.
Como a capacidade de memorizar aumenta com a idade, é possí­vel melhorar a nossa memória infinitamente, mesmo ao ponto de não esquecer nada do que vemos ou do que ouvimos.
Poderemos, assim, evitar a sensação que sentimos quando não nos lembramos daqueles que foram bons para nós. Deveríamos imitar os bons ióguis, os budistas e os santos do Cristianismo, cuja memó­ria infinita capacitava‑os a visualizarem suas vidas anteriores.
Seguindo as indicações da Macrobiótica, podemos restabelecer e fortalecer, infinitamente, esta faculdade. Podeis constatar isso com uma pessoa diabética a quem a doença fez perder a memória. E não só os diabéticos, mas também os neurastênicos, os idiotas e os im­becis podem recuperar a memória de forma surpreendente. Conheci uma francesa, Mme. L., professora de filosofia, que, juntamente com o marido e os quatro filhos, seguiu o regime macrobiótico durante três anos, a fim de melhorar a sua memória, e, ao mesmo tempo, o seu estado geral de saúde. Para sua estupefação, sua filha mais velha, que era considerada por seus professores como retardada mental, tor­nou‑se a primeira da classe.

5. BOM HUMOR

Libertai‑vos da cólera! Um homem, com boa saúde, está livre da raiva, do medo, da doença ou do sofrimento e é alegre e agradável sob quaisquer circunstâncias. Tal homem será tanto mais feliz e en­tusiasta quanto maiores forem suas dificuldades e inimigos. A vossa aparência, a vossa voz, a vossa conduta e mesmo as vossas críticas devem provocar a gratidão e o bem‑estar de todos os que vos ro­deiam.
Cada uma das vossas palavras deve expressar a vossa alegria e a vossa gratidão, como o canto dos pássaros e o zumbido dos insetos ou os poemas de Tagore. As estrelas, o Sol, as montanhas, os rios e os mares, tudo vos pertence. Como poderemos existir sem sermos feli­zes? Deveríamos ser como uma criança quando recebe um belo pre­sente. Se não o formos, é porque estamos com péssima saúde e somos especialmente deficientes nesta quinta condição. Um homem com boa saúde nunca se encoleriza.
Quantos amigos íntimos tendes? Um grande número de amigos íntimos e variados, indica uma larga e profunda compreensão do Universo. Não conto aqui como vossos amigos, os vossos pais e vossos irmãos e irmãs. Um amigo é alguém a quem amais, admirais e res­peitais e que vos retribui de igual maneira e que vos ajuda a realizar os melhores sonhos custe o que custar, sem que lho peçais.
Quantos amigos de coração tendes? Se tendes poucos é porque sois exclusivista ou um triste delinqüente, e não tendes suficiente bom humor para tornar os outros felizes. Se, porém, tiverdes mais de dois bilhões de amigos íntimos, podeis dizer que sois amigo de toda a humanidade. Isto, porém, não é suficiente se considerais so­mente os seres humanos mortos ou vivos. Tereis que admirar e amar todos os seres e todas as coisas, mesmo as folhas da grama, os grãos de areia, as gotas de água. Eis aí o bom humor. O Dr. S. Margine disse: “Cada vez que estou na presença de uma obra da Natureza, sempre amo e admiro a simplicidade de sua manifestação.” Will Rogers também disse: “Nunca encontrei um homem de que não gos­tasse.” Se não conseguirdes fazer de vossa esposa ou de vossos fi­lhos amigos íntimos, isto prova que estais muito enfermo. Se não estiverdes sempre alegres sob qualquer circunstância, sois um cego que não vê nada deste mundo limitado da relatividade nem do Uni­verso Infinito, ambos cheios de maravilhas.
Se tendes qualquer queixa a formular, de ordem moral, mental, física ou social, mesmo insignificante, o melhor é vos fechardes em vosso quarto, como um caramujo na sua concha, e falar a vós mes­mos sobre a vossa tristeza. Se tiverdes poucos amigos íntimos e leais, seria prudente aceitar este meu conselho: tomai uma pequena colhe­rada de “gomásio” (semente de gergelim torrado e moído com dez a quinze por cento de sal marinho) a fim de neutralizar a acidez do vosso sangue. Podereis testar o valor desta minha sugestão em vos­sos próprios filhos: deixai de lhes dar açúcar, mel, chocolate, etc.. ., que acidificam seu sangue, e em uma semana ou duas, uma criança muito Yin (passiva, melancólica e infeliz) se tornará muito Yang (ativa e cheia de alegria).
As sementes de gergelim combinadas com o sal (quatro partes de sementes torradas e bem moldas para uma de sal marinho torrado bem moído) destroem os maus efeitos do açúcar em todo o organis­mo humano, muito especialmente no sistema nervoso e cerebral).
O óleo de gergelim do “gomásio” reveste cada partícula do sal e impede a sede. Penetra na circulação sangüínea e normaliza a hiperacidez do sangue. Lembrai‑vos: excesso de acidez e morte são a mesma coisa!
Raramente se encontram homens e mulheres de temperamento agradável. A grande maioria é doente, mas isenta de culpa porque não sabe como conseguir o bom humor. Ignoram do que devem ali­mentar‑se e como devem comer. Se estiverdes sinceramente conscientes da constituição maravilhosa do Universo, deveis estar plenos de infinita alegria e gratidão, e não podereis deixar de compartilhar com os outros. Oferecei bom humor, sorri e falai, com voz agradável,
a simples palavra “obrigado”, em todas as circunstâncias e tantas vezes quantas possível. No Ocidente diz‑se: “dai e recebei” (get and take)! Nós, no Oriente, porém, dizemos: “dai, dai e dai, tanto quanto puderdes!” Não perdereis nada em imitar‑nos, pois que recebestes a própria vida ‑ o Universo inteiro ‑ sem nada pagar. Sois o filho unigênito ou a filha, do Universo Infinito, que cria, anima, destrói e reproduz tudo o que necessitais. Se souberdes disso, tudo
vos será dada com abundância. Se tiverdes medo de perder vosso dinheiro ou vossa propriedade, praticando o princípio de “dar, dar, dar”, isto prova que sois doentes e infelizes, vítimas do esqueci­mento. Esquecestes completamente a origem de vossa fortuna e de vossa vida, do Universo Infinito; vosso julgamento (discernimento) supremo está parcial ou totalmente eclipsado, sois incapazes de ver a majestosa ordem da Natureza (“Universo Infinito”).
A cegueira do espírito é bem mais perigosa do que a cegueira física. Se doardes uma pequena ou uma grande parcela de vossa for­tuna, geralmente não fazeis segundo a máxima oriental de “dar, dar, dar infinitamente”. Estais aplicando o princípio ocidental do “dar e receber”, que é uma péssima camuflagem da teoria de todos os economistas ocidentais, que nada mais é do que um instrumento para justificar a colonização e a exploração, pela violência, de todos os povos de cor.
O “dar” oriental é o oposto, é um sacrifício, uma expressão de gratidão infinita e a compreensão de autoliberação de todas as dí­vidas. Sacrificar‑se significa dar mais o melhor daquilo que se possui. O sacrifício é um oferecimento ao amor eterno, à liberdade infinita e à justiça absoluta da vida. O verdadeiro sacrifício é o ato de dar alegremente nossa vida ou o principio onisciente, onipotente e onipresente da vida. É o ‑ SATORI ‑ autolibertação, (auto‑reali­zação).
Os muitos assim chamados “assistentes sociais”, provavel­mente os piores criminosos do Ocidente, dão somente os frutos da exploração e das doações. Dar o que se recebe dos outros não im­plica em nenhum sacrifício, faz‑nos lembrar Ali Babá, que dava o que antes havia roubado dos 40 ladrões.
Nossa mãe Terra dá‑se a si mesma infinitamente para alimen­tar a erva. A erva dá‑se a si mesma infinitamente para alimentar os animais. Os animais dão sua vida para tornar este mundo alegre, feliz e interessante, ano após ano. Mas a criatura humana é a única exceção; mata e destrói tudo porque o homem não se dá aos outros! Na Natureza, o que morre é transformado em nova vida.
O homem, por sua vez, deveria dar‑se para realizar o mais es­petacular milagre da criação: a liberdade infinita, felicidade eterna , justiça absoluta. Os que não compreendem isto, ou são escravos, doentes ou dementes.
Se fordes alegres e estimados por todos, seja onde for, dando sempre aos outros a maior e melhor coisa deste mundo, sereis a mais feliz das criaturas ‑ um entre milhões, que é capaz de expres­sar a maior alegria. Podereis conseguir isso, observando as diretri­zes macrobióticas. Encontrareis, então, os novos horizontes do país com o qual o homem sonha, de acordo com Toynbee, Shangrá e Erewhon, desde há mais de 300.000 anos. A medicina macrobiótica é real­mente, uma espécie de lâmpada de Aladim, um Tapete Voador, com o qual podeis realizar todos os vossos sonhos. Para consegui‑lo, deveis res­tabelecer, antes de mais nada, a vossa saúde, de modo a ganhar pelo menos 60 pontos, de acordo com as sete condições da saúde e da felici­dade.


6. RAPIDEZ E DINAMISMO DE RACIOCÍNIO E DE EXECUÇÁO

As pessoas que têm boa saúde devem possuir a habilidade de pensar, julgar e agir corretamente com rapidez, inteligência e clareza. A rapidez é a expressão da liberdade. Os que são rápidos e precisos, bem como os que estão prontos a responder a qualquer desafio, aci­dente, ou necessidade, gozam de boa saúde. Eles se destacam pela sua habilidade de pôr ordem em tudo e em toda parte. Isto se verifica no reino dos animais e das plantas. A beleza da forma ou da ação é uma expressão da compreensão da ordem do Universo Infinito. A saúde e a felicidade, a integridade e a santidade são igualmente manifes­tações dessa ordem, expressas na nossa vida quotidiana. Vida, Saúde Divindade e Eternidade são uma só coisa.

7. A NATUREZA DA JUSTIÇA

As pessoas que possuem compreensão total da justiça alcança­ram Satori, visto que justiça = saúde = discernimento supremo = unicidade = infinito _ Satori. Conhecem a filosofia do Extremo Oriente em toda a sua profundidade e alcançaram os 100 pontos in­tegrais de nosso teste de autovalorização. Se, no entanto, não atingistes esse nível, podeis ainda chegar aos 55 pontos, presumindo‑se que justiça não seja simplesmente uma concepção teórica, ou uma idéia, objeto de vossos sonhos. Se vos es­tiverdes movimentando ativamente no sentido de chegar a saber o
que ela representa, se cada dia que passa mais vos aproximardes a uma compreensão plena da Ordem do Universo, se sua intenção ou seu alvo consiste em conscientizar o mais profundo significado da Filosofia do Extremo Oriente, então apanhastes a natureza (o cará­ter) da justiça. Sua compreensão, em expansão, conduzir‑vos‑a à auto‑realização e merece 55 pontos. A natureza da justiça é revelada pela sua inclinação em viver de acordo com a ordem natural do Universo, pondo em prática o seu Princípio único, Yin‑Yang. Revela‑se pela sua tendência de reconhe­cer Yin e Yang em cada fenômeno, seja físico, mental ou espiritual, em cada aspecto ou atividade de vossa vida diária, como comer, be­ber, pensar, julgar, fazer, falar, comprar, vender, ler, caminhar e trabalhar.
Em outras palavras, deveis viver a lei biológica: De um grão dez mil grãos. Todos os vegetais e animais devolvem dez mil vezes mais do que recebem. A terra recebe um grão, a terra devolve dez mil grãos. Um bicho da seda, alimentado pelo homem, devolve centenas de milhares de ovos, mais dez mil jardas de fio de seda. Algumas fêmeas de peixes dão milhões de ovos. Essa é a lei natural biológica.
Se vossos pais vos deram a vida e vos alimentaram até atingirdes dez anos, tomai conta e cuidai deles infinitamente, dez vezes dez ­mil. Quando tiverem partido, ajudai aos pais de outros diretamente, através de vossa ação, ou indiretamente, por outros meios. Esta é a concepção oriental de ON,* que foi totalmente mal interpretado no Ocidente. Não se trata apenas da liquidação de uma divida. É muito mais do que isso. ON é alegria, a satisfação de poder distribuir, compartilhar infinita liberdade e eterna felicidade; é “(justiça” ou a absoluta alegria de viver.
Justiça à primeira vista, pareceria não ter conexão nenhuma com a dieta. Poderá parecer que a dieta, um costume, foi substituído por uma abstração inútil, semelhante às que têm atormentado outras filosofias por milhares de anos. Isso é puro engano, porque o alimen­to é justiça, e justiça é o alimento. Ambos são uma só coisa. Seguir a orientação macrobiótica, é chegar a conhecer a justiça; da mesma forma, conhecer a justiça é seguir a dieta macrobiótica, a Ordem da Natureza, ou da vida mesmo.
Desde que a Natureza nos tem provido de alimentos que são apropriados para os nossos corpos, poderemos conquistar a saúde, conhecendo‑os e usando‑os. Isto é Macrobiótica. A materialização da Ordem da Natureza em nosso comer e beber. Se vivermos de acordo com esta Ordem, teremos saúde como resultado; se a ignorarmos, a infelicidade e a doença provavelmente surgirão. A lógica é simples, clara e prática. É a verdadeira justiça.

ON = Ordem da Natureza.


É impossível realizar estas sete condições de saúde, sem observar estritamente o regime macrobiótico, que representa a essência de uma sabedoria com mais de cinco mil anos e que é simples e fácil.
Através dele podeis tornar‑vos o criador de vossa própria vida, saúde e felicidade, sem depender dos outros; podeis ser independentes e livres. Podereis curar não somente os vossos males físicos, mas também as vossas deficiências psíquicas, morais, mentais, com a Macrobiótica. Conheceis, porventura, um método melhor? Eu não conheço nenhum mais simples e direto. Se eu estiver errado me indique, estou pronto a segui‑lo e a abandonar o caminho biológico, fi­siológico e cosmológico, que leva da saúde à paz, e que eu sigo e pratico há mais de 50 anos.

Anterior  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTULO II

PRÓXIMO  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTULO IV


Anterior  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO III

PRÓXIMO  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO V

Anterior  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO III

PRÓXIMO  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO V