domingo, 10 de janeiro de 2010

Macrobiótica Zen - Capítulo IV

( Transcrição completa do Livro de George Ohsawa)

SE TIVERDES FÉ, NADA VOS SERÁ IMPOSSIVEL

A filosofia no Oriente é a arte de ensinar a constituição do Uni­verso Infinito, o Reino dos Céus. Seu único propósito é o de ajudar ao homem a compreender esta estrutura ou ordem, para que ele possa alcançar liberdade, felicidade e saúde, para si mesmo, e por si mesmo.

Desde que essa teoria é não só dialética, mas paradoxal e pro­funda, eu a simplifiquei para que possa ser compreendida por todos. A pedra fundamental de todas as religiões do Oriente é a aplicação desta teoria, tanto no plano biológico, como no fisiológico. A ela se devem os princípios dietéticos rigorosos que são parte integrante de quase todas essas correntes religiosas. A não ser que vivais por esses princípios, não podeis compreender ou haurir f orças de vossa religião e de seus ensinos, um f ato largamente ignorado pelos teó­logos ocidentais.
O Budismo, particularmente o Zen‑Budismo, incorpora a obser­vância de leis dietéticas severas. No Ocidente, publicam‑se hoje numerosas obras sobre o Zen‑Budismo e a filosofia hindu, porém nenhuma delas dá uma explicação completa da importância e da su­perioridade de suas bases fisiológicas e biológicas. Não é de estra­nhar, portanto, que a filosofia do Vedanta, do Taoísmo, do Budis­mo, etc., não possa ser compreendida no Ocidente. Se as religiões em seu conjunto perderam a sua autoridade, através dos séculos, é por causa da negligência ou da ignorância desses fundamentos. É essa a razão porque a paz, a liberdade, a saúde e a felicidade estão desaparecendo em todo o mundo.

Disse Jesus: (Mateus, cap. 17, versículo 20) ‑Se tiverdes fé do ta­manho de uma semente de mostarda, direis a esta montanha Remove‑te daqui! E ela se removerá, e nada vos será impossível,). Se tiverdes fé, nada vos será impossível. Se algo vos é impossível, é porque não tendes a fé ‑do tamanho de um grão de mostarda .
Os crimes, as guerras, a pobreza, a má vontade, as “doenças in­curáveis” são o resultado final da falta de fé. A felicidade e a infeli­cidade dependem da nossa conduta, que por sua vez é controlada por nosso discernimento. A fé é o fundamento sólido sobre o qual se levanta o julgamento (discernimento).

Não devemos confundir este tipo de julgamento (discernimen­to) que é baseado na fé, com outra classe, que não o é. O julgamento que falha é o último.
Se vosso discernimento é falho, é porque não tendes fé, nem mesmo do tamanho de um grão de mostarda. A fé é o discernimento infinito, e se não conhecerdes a ordem majestosa do Universo Infi­nito, não tendes fé. Se tiverdes confiança apenas nas invenções dos homens, tais como leis, poderio, conhecimento, ciência, dinheiro, drogas e remédios, tendes fé somente na relatividade e não no In­finito. Sendo todo o discernimento relativo, transitório e sem valor, deveis, antes de mais nada, aplicar‑vos ao estudo da estrutura do Infinito, o Criador eterno.
Eis o motivo por que passei 48 anos como um simples intérprete da filosofia do Oriente, e por que escrevi este livro, que é um guia e um passaporte para o Reino da Saúde, da Liberdade e da Felici­dade, onde cada um é o seu próprio mestre, livre e feliz; nunca assalariado, nunca dependente. Os pássaros, os peixes, os insetos, os micróbios, assim como as ervas e as árvores, vivem nesse Reino plenamente satisfeitos, desconhecendo o medo da doença, da velhice ou da morte.

Sentir‑me‑ei muito feliz se puderdes utilizar este passaporte, mesmo que seja somente por 10 dias. Se decidirdes a sentir‑vos felizes, livres, cheios de saúde e independentes, através da observância das diretrizes de nossa filosofia, podeis entrar em contato comigo em qualquer época e em qualquer lugar. Responderei pelo telefone cha­mado “FÉ”.
No Reino da Vida, cada qual deve aprender tudo por si próprio. Não existem escolas, nem universidades, porque o próprio Universo Infinito é a escola eterna. Não há mestres, porque cada um deve aprender de todas as coisas e de todas as pessoas, dia e noite, sobre­tudo com um inimigo forte e cruel; sem inimigos, tornamo‑nos preguiçosos, fracos e estúpidos.
Este livro‑guia para a vida é mais do que suficiente, porque o mestre Oriental da Grande Escola ensina fazendo perguntas. Rara­mente dá respostas, a fim de fortalecer a habilidade do estudante de julgar por si mesmo. Na grande Escola da Felicidade e da Liberdade, o aprendizado é através da prática.



A teoria deve ser imaginada, ou improvisada e inventada pela intuição e pelo pensamento. Não é de admirar, portanto, que antes de eu vir para o Ocidente, nunca havia escrito um livro que respondesse a tantas perguntas, nenhum único volume desse tipo, entre mais de 300 livros que publiquei em japonês.

DEVEMOS GOZAR DE LIBERDADE INFINITA

Sendo o homem superior aos animais, deveria poder curar‑se melhor do que qualquer animal. Um homem que não pode curar‑se e que não pode alcançar a sua própria liberdade, felicidade e justiça absoluta, por si próprio e para si próprio, sem ser ajudado pelos ou­tros, ou por invenções e aparelhos mecânicos, está destinado a ser explorado e devorado pelos outros, para alimentar vermes e micró­bios. Não tem necessidade de ir para o inferno após a morte, pois já sua existência é um inferno vivo.
Os ensinamentos de todas as grandes religiões insistem sobre a importância de comer e beber corretamente. Um dos mais antigos códigos, o do Manu, (da Índia antiga), mostra‑nos um caminho muito prático, fisiológico e biológico, para estabelecer a felicidade e a paz na Terra. É realmente de pasmar. Não obstante, esta sabedoria não foi posta em uso, está esquecida.
Todos nascemos felizes. Se alguém não continua a sê‑lo, a culpa é sua, por ignorância violou, continua violando as leis do Universo. Se desejardes viver uma vida feliz, alegre e longa, tereis de fortalecer a vossa compreensão e desvelar o vosso julgamento Supremo pelo consumo de alimentos naturais, corretos. Este método foi ensinado por todos os homens livres, (os santos do Oriente) conforme indicam ‑os livros sagrados: a Bíblia, o Cânone do Imperador Amarelo, o I‑King, o Tao‑Té‑King, o Baghavad‑Gita e o Charak‑Samhita.

Eis aqui outra chave para a felicidade: se existir neste mundo uma só pessoa ou uma só coisa de que não possais gostar, jamais podereis ser feliz, e, se sois infeliz, estais enfermo, de corpo ou de espírito. Deveis curar‑vos sem dependerdes e sem usardes quaisquer artifícios. De outro modo, vossa cura será incompleta, porque per­destes vossa independência e vossa liberdade.

A FELICIDADE

Vossa felicidade, liberdade, justiça, saúde e alegria de viver de­vem ser cem por cento vossas. A saúde e a felicidade, que nos são dadas pelos outros, é uma divida que deverá ser paga, cedo ou tarde. De outra forma, sereis um escravo ou um ladrão.

Aqueles que nunca dizem “obrigado”, aqueles que muitas vezes dizem “obrigado”, mas nunca pagam o que devem; os que pensam que pagaram tudo o que devem, dizendo apenas “obrigado” ou “muito obrigado”, esses são infelizes. São mais indesejáveis e detestáveis do que um bandido. Sofrem até o último alento de suas vidas, porque sua existência é uma longa série de dividas.
Com efeito, não podereis, na verdade, reembolsar tudo o que deveis nesta vida, porque só tendes aquilo que deveis. Libertai‑vos-­eis, se distribuirdes alegria infinita e gratidão a todos os que encon­trardes em vossa vida. Isso implica em uma verdadeira compreensão da ordem do Universo Infinito e sua Justiça.
A terra devolve 10.000 grãos por um só que recebeu, “um por dez mil” é a lei biológica deste mundo, e todo aquele que a violar, não poderá viver feliz. Se não puderdes viver de acordo com esta lei, sois desventurado, sois um homem castigado e confinado na prisão denominada Doença, Miséria ou Dificuldade.

CADA UM DE NÓS DEVE SER O SEU PRÓPRIO MÉDICO

A medicina macrobiótica, da longevidade e do rejuvenescimento, é extremamente simples e econômica. Pode ser aplicada em qualquer tempo, em qualquer estágio da vida e sob quaisquer circunstâncias. É mais educativa do que curativa e depende inteiramente de vossa compreensão, de vossa vontade. Ela é, na verdade, o estudo do cami­nho que leva ao SATORI, auto‑realização e libertação. Este estado deve ser alcançado por vós mesmos.

Os muitos livros escritos com esse propósito, em todas as idades, são, em termos gerais, mais ou menos conceptuais. Não são práticos. São maravilhosos e muito bons para ler e recitar, mas muito difíceis de seguir na vida diária. Contrastando, a arte do rejuvenescimento e/ da longevidade, ‑ a Macrobiótica ‑ é prática, isto é, baseia‑se na experiência e, em particular, naquela que será vossa. Podeis descobri-­Ia por vós mesmos, pela completa e estrita observância de suas di­retrizes fundamentais, durante dez dias apenas.

Este volume acentua a importância da maneira correta de comer e beber. Se desejardes aprofundar vossa compreensão da filosofia em que se fundamenta a Macrobiótica, procurai ler “A Filosofia da Me­dicina do Extremo Oriente (o livro do discernimento)”.*

Publicado pela Associação Macrobiótica de Porto Alegre com o título "A Filosofia da Medicina Oriental" ‑ Leia comentário a respeito no final deste livro. (Nota da Editora).


Anterior  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO III

PRÓXIMO  - MACROBIÓTICA ZEN / CAPÍTILO V