segunda-feira, 30 de abril de 2012

Vinte mil pessoas no país terão câncer por causa do emprego

30/04/2012 - 10h47


VENCESLAU BORLINA FILHO
DO RIO
Vinte mil pessoas no Brasil serão diagnosticadas neste ano com câncer relacionado ao trabalho. Segundo estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer) no Rio, pelo menos 19 tipos de tumor -entre eles de pulmão, pele, fígado, laringe, bexiga e leucemias- estão relacionados à ocupação e ao ambiente de trabalho.
De acordo com o instituto, as profissões de cabeleireiro, piloto de avião, comissário de bordo, farmacêutico, químico e enfermeiro são mais propensos ao desenvolvimento da doença. E produtos aparentemente inofensivos, como poeiras de cereais, de madeira e de couro, e até mesmo medicamentos antineoplásicos (quimioterápicos) podem provocar câncer.
Os números podem ser maiores considerando a qualidade da atividade e do ambiente no trabalho. Pesquisas recentes apontam que de 8% a 16% do total de doentes desenvolvem o tumor pelo trabalho. No Brasil, em 2012, 518.510 novos casos de câncer devem ser registrados, segundo o Inca.
Em relação ao câncer de pulmão, por exemplo, de cada dez casos, um é decorrente da exposição ocupacional. O mesotelioma (tipo de câncer mais comum na pleura, membrana que envolve o pulmão) é 100% decorrente da exposição ao amianto.
O objetivo do estudo é oferecer subsídios ao profissionais de saúde para obter um diagnóstico mais próximo da doença relacionada ao trabalho. Segundo o instituto, o câncer ocupacional é subdimensionado devido a dificuldade de se estabelecer a causa com o tumor.