quinta-feira, 14 de março de 2013

A influência dos minerais na doença de Parkinson

Destaco alguns trechos extraídos do link abaixodo excelente artigo preparado por FABIANA AMARAL D’OLIVEIRA1; ANDREA ABDALA FRANK2; ELIANE DE ABREU SOARES3.

Fonte: Artigo de revisão

FERRO
.............., estudos têm verificado que existe uma forte associação entre o ferro ingerido na dieta e a doença de Parkinson. Nesse sentido, quanto maior a ingestão de ferro, maior o risco para o desenvolvimento dessa enfermidade. Constatou-se tal fato em um estudo realizado com humanos, no qual além de uma ingestão de ferro acima do normal quando comparado com o grupo controle, havia uma suplementação de ferro, com mais de 1 comprimido ao dia, aumentando-se o risco de desenvolvimento da doença de Parkinson
(POWERS et al., 2003).

Desta maneira, o aumento seletivo de ferro na mielinização dos neurônios dopaminérgicos da substância negra, possivelmente, devido ao consumo elevado de ferro, proveniente da dieta, pode ser responsável pela degeneração progressiva dos neurônios. Estudos experimentais têm demonstrado que a suplementação de ferro está relacionada com uma diminuição da atividade da enzima superóxido dismutase na substância negra (PIZZOL et al., 2001; POWERS et al., 2003).


ZINCO
........................O aumento excessivo do zinco intracelular tem sido descrito na degeneração de neurônios. O afluxo de quantidades tóxicas de zinco nas vesículas pré-sinápticas para pós-sinápticas parece degenerar os neurônios, podendo ser o principal responsável por esse processo (MOCCHEGIANI et al., 2005).


CALCIO

Em um estudo realizado em Honolulu com 7504 homens japoneses com idade entre 45 e 68 anos, durante 30 anos, buscou-se a relação entre a ingestão de leite e produtos lácteos com o risco de desenvolvimento da doença de Parkinson. O resultado demonstrou que a incidência da doença de Parkinson aumentava nos homens que consumiam leite e produtos lácteos em comparação com os que não consumiam. Infelizmente, esta associação ainda não está bem definida, e os autores acreditam que o leite e seus derivados podem alterar a absorção de componentes neuroprotetores com funções antioxidantes (PARK etal., 2005). Não se pode afirmar qual é o fator responsável pelo desenvolvimento da doença de Parkinson, se por influência do cálcio ou se pelos contaminantes presentes no leite. O mesmo estudo associou a presença de neurotoxinas do leite ao desenvolvimento da doença, sugerindo que componentes utilizados na fabricação de pesticidas e contaminantes do
leite possam ter induzido o surgimento da doença de Parkinson nesses indivíduos (PARK et al., 2005).

Recomendo que leiam o artigo completo que é bem elucidativo. ( link no começo dessa postagem)

Ressalto que como leigo que acompanha o assunto sou contra algumas práticas da  "medicina ortomolecular" como receitar coqueteis de minerais. Acredito que ao longo de muitos anos as consequências podem ser nefastas. Devemos buscar os mineriais que nossa corpo precisa em alimentos saudáveis. Apenas os alimentos possuem minerais que são abosrvidos pelos alimentos de forma sutil e que jamais podem ser substituidos por formulas preparadas.

Leiam :Algumas práticas da terapia ortomolecular são proibidas