segunda-feira, 15 de abril de 2013

É possível aparentar dez anos mais jovem?

Cirurgião plástico afirma que a jovialidade depende muito da harmonia entre o volume e o equilíbrio estético da pele, além de hábitos saudáveis ao longo da vida.
"Você não aparenta a idade que tem". Quem não gosta de ouvir esse elogio? Sem dúvida, é o desejo da grande maioria das pessoas, sobretudo, àquelas que já passaram dos 50 anos de idade, quando os sinais do envelhecimento são mais visíveis. Infelizmente, não existe uma máquina do tempo nem mágica que impede a lei da gravidade, porém a cirurgia plástica moderna e qualificada pode ajudar a conquistar uma pele e um corpo até dez anos mais jovem, garante o Cirurgião Plástico e Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica com Doutorado pela USP, Dr. Marcelo Wulkan.
Flacidez das mamas, dos braços, das mãos, gordura abdominal, nariz desproporcional, dentre outras regiões, são alguns dos sinais que proporcionam uma aparência envelhecida. Contudo, o especialista afirma que qualquer pessoa pode conquistar um corpo mais jovem ao corrigir essas regiões, pois há técnicas eficientes e de rápida cicatrização, desde que haja total sincronia entre volume e equilíbrio da pele. "É possível restaurar o volume perdido ao longo dos anos, principalmente na face, região onde a perda do contorno zigomático (área das maçãs do rosto) e queda da pele facial são mais acentuadas. A pele continua do mesmo tamanho, mas as camadas abaixo dela ficam menores com o tempo. Sem a estrutura de suporte abaixo da pele facial, ocorre o enrugamento e o surgimento de sulcos indesejáveis", explica.
Obter uma pele com equilíbrio significa bom senso estético de acordo com as necessidades do paciente, sem excessos e sem resultados exagerados que evitam a aparência estigmatizada de que "foi operado". "O equilíbrio envolve, por exemplo, redistribuir a bolsa de gordura presente embaixo das pálpebras ao invés de retirá-las. Com isso, se evita o aspecto de olho profundo e sem vida. O bom senso e equilíbrio notam que cada paciente tem uma necessidade distinta e não existe uma conduta universal", descreve Dr. Wulkan.
Além do volume e restauração do equilíbrio das estruturas faciais, o cirurgião afirma que ainda existe espaço para o lifting facial, procedimento que cada vez mais se atenta à menor cicatriz possível. Muitas vezes, o cirurgião associa o lifting à lipoenxertia estruturada; com isso se restabelece volume e se equilibra melhor as estruturas faciais reposicionando os tecidos musculares abaixo da pele.

A aparência jovem e saudável da pele não depende somente da cirurgia plástica, mas também de mudança de hábitos. Dr. Wulkan pontua algumas:

1-Exposição solar: a exposição solar diminui a elasticidade da pele acentuando as rugas de expressão, principalmente ao redor dos olhos, testa e região do queixo. A recomendação é proteção solar diária com filtro solar (fator 30 no mínimo), óculos escuros e chapéu. Nada de bronzeador.
2-Cigarro: é um "veneno" para a pele. Além de ser a maior causa de mortes evitáveis no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde, torna a pele visivelmente mais amarelada e diminui o calibre dos vasos sanguíneos. Com isso, dificulta a oxigenação da região assim como a absorção de vitaminas, nutrientes e minerais essenciais.
3-Nutrição: uma dieta balanceada sempre ajuda a manter a vitalidade e turgor da pele. Na dúvida, consulte um nutricionista.
4-Peso: o emagrecimento radical pode deixar o rosto exageradamente magro e encovado. Entre 30 e 40 anos, a falta de um mínimo de gordura facial pode deixar os olhos fundos. Aos 50, o resultado é semelhante, acrescido da flacidez cutânea. Para rejuvenescer o rosto, usa-se a lipoenxertia estruturada onde a gordura do próprio paciente é tratada e reaplicada na face. As chances de rejeição são mínimas, pois a gordura é do próprio indivíduo.
5-Estresse: embora não seja um consenso entre os médicos, a vida agitada da sociedade moderna parece agir negativamente na aparência das pessoas. Faça atividades físicas e tenha momentos de lazer para aliviar a tensão.
6-Alcoolismo e drogas: fazem "secar" o rosto. Diga não às drogas e ao alcoolismo.


Fonte: Dr. Marcelo Wulkan - Cirurgião Plástico-CRM 108732- RQE 28948
Médico cirurgião plástico com doutorado pela Faculdade de Medicina da USP. É membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da International Confederation for Plastic, Reconstructive & Aesthetic Surgery (IPRAS). É também "active member" e "full voting member" da Rhinoplasty Society, a mais importante sociedade de cirurgiões plásticos do mundo com foco em rinoplastia. Foi o cirurgião plástico estrangeiro mais jovem a apresentar aula em Harvard-BIDMC. Após o término de sua residência em cirurgia plástica, optou por se especializar ainda mais em cirurgia plástica estética e reconstrutiva nos Estados Unidos em Harvard, New York University, University of Illinois at Chicago e University of Pittsburgh. Com o conhecimento adquirido nos EUA, o Dr. Wulkan se tornou o único representante no Brasil e América do Sul de um dos mais experientes centros de contorno corporal/plástica pós-grande perda de peso do mundo: o Hurwitz-Center for Plastic Surgery (centro pioneiro do Total Body Lift). Esta parceria é única e levou à criação do Wulkan-Hurwitz Center for Plastic Surgery visando ajudar pacientes dos EUA, Brasil e outros países a realizar tratamentos completos seguindo rigorosas condições de qualidade e segurança. Autor do livro: Desvendando a Cirurgia Plástica: orientações ao paciente.