terça-feira, 10 de novembro de 2015

Você sabe a medida exata do sal?



OMS divulga que brasileiro consome o dobro de sódio indicado
Diferente dos países desenvolvidos onde a principal fonte de sódio são os alimentos industrializados, a maior fonte de sódio do brasileiro é o sal de cozinha. A população brasileira consome duas vezes e meia mais sal do que o limite orientado, segundo dados da Organização Mundial da Saúde.

A nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Cintya Bassi esclarece as principais dúvidas sobre o sal. “O sódio é um mineral considerado essencial para o bom funcionamento do organismo, ligado a manutenção do equilíbrio de distribuição da água corporal, no equilíbrio osmótico e ácido-base e no transporte de moléculas”. A profissional afirma que o prejudicial ao organismo é o consumo excessivo de sal, pois o abuso do sódio proporciona o aumento da pressão arterial, doenças renais e cardiovasculares, além de interferir na absorção de micronutrientes como o cálcio.

É importante lembrar que o sal de adição (adicionado por cada pessoa nos alimentos) constitui apenas 25% do tempero consumido, e o brasileiro consome em média 11,75g diariamente, valor bem acima da recomendação médica. “Alguns alimentos, especialmente os industrializados, possuem muito sódio e normalmente tem relação com esse consumo aumentado de sal, por isso devemos controlar esses alimentos na dieta” . Ela orienta que o importante é não cortá-lo totalmente da dieta e sim consumi-lo de forma consciente. “O sal não deve ser eliminado da dieta e sim consumido com parcimônia, isso porque sua ausência no organismo também acarreta problemas como hipotensão, confusão mental, náuseas, vômito e fraqueza”.

A pressão arterial é uma doença de alta prevalência e com grande associação ao excesso de sal na dieta, isso acontece porque quando ocorre o consumo de grandes quantidades de sódio ele é absorvido pelo intestino e vai para o sangue, a água do corpo é sugada para os vasos e o organismo na tentativa de manter o equilíbrio e normalizar o fluxo, aumenta a pressão sanguínea. Os vasos sanguíneos reagem e se contraem para reduzir o fluxo, porém o bombeamento continua intenso. “Consequente a este problema, podem surgir outros diversos, como infarto, AVC, insuficiência renal e arritmia cardíaca” esclarece a profissional.

Para indivíduos hipertensos, alguns cuidados são importantes para alcançar o controle, como diminuir a ingestão do sal de adição. A nutricionista orienta que os alimentos, sejam preparados sem o acréscimo do tempero e que ele seja adicionado após o prato pronto, é importante reduzir o consumo de sal para cerca de 4g de sal (aproximadamente uma colher rasa de café) e em casos mais severos para 2g de sal ao dia, “Além disso, também é necessário mudar hábitos alimentares, substituindo os temperos industrializados pelo natural como alho, cebola, limão etc., e evitar o consumo de alimentos como enlatados e conservas preferindo sua forma in natura, frios e embutidos, queijos amarelos, carnes defumadas, salgadinhos e pratos prontos”, orienta a nutricionista.

Existem alimentos que podem contribuir para a redução da hipertensão, o alho é um deles, pois uma substância chamada alicina, parece estar associada a melhor elasticidade dos vasos sanguíneos, melhorando a circulação, os bioflavonóides - encontrados na uva e na soja, possuem antioxidantes e auxilia o relaxamento dos vasos, alimentos fontes de fibras como aveia, pães e arroz integral, reduzem as taxas de colesterol e pressão arterial entre outros. Realizar um acompanhamento médico e nutricional é a melhor maneira de amenizar o sofrimento nessa fase e recuperar a saúde.

A OMS determina que o consumo de sal pelas crianças acima de dois anos, não deve ultrapassar 5g ao dia, porém um estudo recente apontou que a hipertensão arterial do adulto, constantemente tem origem na infância e um dos condicionantes são os maus hábitos alimentares empregados cada vez com maior rapidez e intensidade. “Quanto mais exposta ao sal, maior será a predileção da criança por alimentos salgados durante a vida, por isso é fundamental a formação de bons hábitos. Crianças costumam gostar de alimentos prontos, mas para se ter uma ideia uma porção de macarrão instantâneo sem acréscimo de tempero possui em média 2g de sódio, 100gr de frango empanado pronto 0,5g e uma unidade de hambúrguer 700mg”, orienta a nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão. Para estimular a mudança de hábitos, ainda em 2013 entra em vigor uma determinação do Ministério da Saúde, que determina a redução de sódio nos alimentos processados no Brasil.

Para quem busca mudar sua alimentação e diminuir o consumo de sal é importante ressaltar que as papilas gustativas se adaptam facilmente aos alimentos salgados, por isso acostumar-se com uma dieta com teor reduzido de sal, pode demorar até três meses. “Os alimentos de origem animal também são fontes de sódio, porém em menor quantidade, é o caso dos queijos, leite e carnes e os alimentos de origem vegetal apresentam baixa quantidade de sódio, sendo praticamente inexistente nas frutas e escasso em cereais e leguminosas”, finaliza a profissional do São Cristóvão.