quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Os desafios do tabagismo - Por Dr. Luiz Carlos Corrêa da Silva*



O conceito do tabagismo há mais de duas décadas saiu da antiga concepção de ser um hábito, um charme social, uma forma de encontrar companhia em situações de solidão, ou mesmo uma opção para enfrentamento das demandas do dia a dia. Hoje sabe-se que o tabagismo é doença de dependência da nicotina, concorrendo também outros fatores de natureza psicológica que podem dificultar parar de fumar.

A fumaça de cigarros contém mais de 4.700 substâncias químicas, sendo 200 destas tóxicas e prejudiciais para a saúde, e 50 com forte efeito cancerígeno. O setor respiratório é o mais diretamente atingido, mas as substâncias tóxicas circulam por todo o organismo vindo a causar danos e doenças.

A irritação provocada por estas substâncias danosas costuma causar um processo inflamatório e alterações celulares em diversos locais, tendo como consequência mais de cinquenta doenças graves e fatais, que se constituem nas principais causas de mortalidade humana: cardiovasculares (principalmente infarto do miocárdio), câncer (de pulmão e outros locais), derrame cerebral, e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC, mais conhecida como enfisema e bronquite crônica).

O tabagismo causa 6 milhões de mortes no mundo, anualmente, pelas doenças tabaco-relacionadas (DNCT), sendo mais de 130 mil destas mortes no Brasil. Isto configura uma verdadeira epidemia, sem dúvida o maior flagelo da humanidade, que pode ser evitado e tratado.

A melhor medida para controle do tabagismo é a de prevenção, impedir que os jovens se iniciem e tornem-se dependentes. Isto implica em educação e ações restritivas. Evitar fumar o primeiro cigarro, que abre caminho para a dependência, deve ser um grande objetivo da família e da escola.

O grande segredo para parar de fumar chama-se MOTIVAÇÃO. Uma pessoa motivada e que tenha objetivos bem definidos, terá grande chance de parar de fumar. Se tiver motivos mobilizadores de sentimentos positivos haverá ainda mais facilidade para parar de fumar.

O auxílio de médico, especialista ou não, constitui-se num grande apoio para conseguir parar de fumar, na medida que se avaliem diversos itens do perfil do paciente. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é a base do tratamento, sendo sempre da máxima importância, pois auxilia nos aspectos da dependência psicológica. Medicamentos ajudam a diminuir a síndrome de abstinência – aquelas sensações e sintomas desagradáveis causados pela privação da substância nicotina.

O grande segredo para obter sucesso na cessação do tabagismo é preparar o paciente para manter-se abstinente, segurar a vontade de fumar de maneira estruturada e consistente, e, assim, evitar os lapsos e recaídas.

Existem tratamentos estruturados para parar de fumar que em muito auxiliam pessoas que não conseguem parar por iniciativa própria. O Ministério da Saúde, através das Secretarias Estaduais e Municipais, propicia profissionais e equipes treinadas para ajudar fumantes a parar de fumar, inclusive com fornecimento de medicações. Hospitais e Clínicas Especializadas também prestam esta assistência, de maneira personalizada.

A mensagem simples e direta para ficar na memória de todos os fumantes: “se você quiser parar de fumar, vai conseguir através de um programa baseado nas suas necessidades individuais”. Procure um pneumologista!

Dr. Luiz Carlos Corrêa da Silva

Comissão de Tabagismo da SBPT - Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia