domingo, 21 de junho de 2009

O MEDO DA CALVÍCIE


O homem jovem busca recursos para evitar o problema. O mais velho já procura o transplante. Verdade seja dita: a antiga marchinha carnavalesca, que dizia “é dos carecas que elas gostam mais”, não encontra eco entre os homens. Cada vez mais jovens acorrem aos consultórios médicos, à primeira percepção de uma queda de cabelos acima dos padrões normais. Hoje em dia, a beleza masculina, valorizada pelas mulheres e buscada agora sem culpa pelos homens, não prescinde dos cabelos!
Jovens de 20 anos, pouco mais ou pouco menos, já buscam ajuda nos consultórios de dermatologistas, tentando evitar o problema. Mais tarde, em torno dos 35, a busca já é pelo transplante.
Buscar ajuda logo no início – quando aparecem as chamadas entradas – facilita o tratamento, diz o dermatologista Arthur Tykocinski, do Tykocinski Medical Group. Ele é especializado em transplante capilar e membro da Sociedade Internacional de Transplante Capilar (ISHRS – International Society of Hair Restoration Surgery), e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).
Tipos de calvícieA calvície masculina mais comum tem origem genética e hormonal. Seu nome científico é alopecia androgênica.
Há outro tipo de calvície, popularmente conhecida como pelada,restrita a algumas áreas tanto no couro cabeludo quanto na barba, nas sobrancelhas ou qualquer outra parte do corpo coberta por pêlos. A origem é o stress. Acabando com ele, o problema termina. O nome científico deste tipo de calvície é alopecia areata.
Um terceiro tipo é a alopecia cicatricial, resultante de infecções bacterianas severas no couro cabeludo, que acabam gerando cicatrizes.
A ajuda possível
Da análise da origem do problema é que nascerá a solução mais indicada: tratamento clínico, no caso do aparecimento de entradas; ou combinado com transplante de cabelo, quando as entradas se fundem logo atrás do “topete”. Nos casos avançados, em que as entradas se fundem com a chamada coroa, somente o transplante de cabelos resolve.
De qualquer forma é importante saber que, como a área doadora de fios para o transplante é a região próxima à nuca, quem já tiver apenas faixas de cabelo na lateral da cabeça não será beneficiado por qualquer tratamento. Vai perder, além dos cabelos, tempo e dinheiro.