terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Os benefícios à saúde da beterraba.



Marcelo Rigotti.

Eng. Agrônomo, Dsc. Agronomia.

rigottims@yahoo.com.br

fonte: http://www.curaplantas.com.br/artigobeterraba.htm

A beterraba (Beta vulgaris) é uma planta pertencente à família Amaranthaceae, antes era classificada na família Chenopodiaceae. A raiz da beterraba é muito consumida em todo o mundo, usada cozida ou crua é um dos vegetais mais apreciados na culinária, seu sabor adocicado e com gosto de terra atrai ao paladar. Embora seja utilizada como alimento também é eficiente quando usada medicinalmente, seja na cura de doenças ou como preventivo.

As raízes avermelhadas contêm poderosos compostos que ajudam a proteger contra doenças cardíacas, defeitos de nascimento e certos tipos de câncer, especialmente câncer de cólon.

O pigmento que dá a beterraba sua cor roxo-avermelhado é a betacianina também é um poderoso agente de combate ao câncer. A sua eficácia contra câncer de cólon, em particular, tem sido demonstrado em vários estudos. Este pigmento é absorvido pelo glóbulos e pode aumentar a capacidade de transporte de oxigénio do sangue em até 400 por cento.

Em um estudo com animais a fibra da beterraba aumentou a atividade de duas enzimas antioxidantes no fígado, glutationa peroxidase e glutationa-S-transferase. O fígado é o principal órgão de desintoxicação do organismo, onde substâncias tóxicas são quebradas e eliminadas, um processo que gera uma grande quantidade de radicais livres. Glutationa peroxidase e glutationa-S-transferase são os guarda-costas para as células do fígado e vias biliares, protegendo-os do ataque de radicais livres.

Ainda nesta pesquisa, não só fez aumentar a atividade de proteção antioxidante no fígado, mas também sobre os níveis de colesterol total que caíram 30%, seus triglicerídeos caíram 40% (triglicerídeos elevados, a forma pela qual as gorduras são transportadas no sangue, são um importante fator de risco para doenças cardiovasculares), e o nível de HDL (colesterol benéfico) aumentou significativamente.

Em outros estudos em animais, os cientistas observaram um aumento no número de células CD8 cólon, que são células do sistema imunológico responsável por detectar e eliminar células anormais.

Em pacientes com câncer de estômago, quando os cientistas compararam os efeitos de frutos e sumos de vegetais para a formação de nitrosaminas, compostos cancerígenos produzidos no estômago a partir de produtos químicos chamados nitratos, foi descoberto que o suco de beterraba é um potente inibidor das mutações celulares causados por estes compostos. Os nitratos são normalmente utilizados como conservantes químicos em carnes processadas.

As pessoas cujas dietas são concentradas em betaína (encontrada naturalmente em vegetais como a beterraba e espinafre), têm níveis de marcadores inflamatórios, pelo menos, 20% menor do que indivíduos com menor consumo médio American Journal of Clinical Nutrition (P Detopoulou, Panagiotakos DB, et al.).

As beterrabas são especialmente ricas em folato, vitamina B, que é essencial para o crescimento do tecido normal. Comer alimentos ricos em folato é especialmente importante durante a gravidez, pois sem ácido fólico suficiente, a coluna vertebral da criança não se desenvolve adequadamente, uma condição chamada de defeitos do tubo neural. A necessidade diária de ácido fólico é de 400 microgramas. Um copo de beterraba cozida cortada contém 136 microgramas de folato.

As folhas verdes podem ser cozidas e também são ricas em betacaroteno, ácido fólico, clorofila, potássio, vitamina C e ferro.

Valor nutritivo a cada 100g.

  • Vitamina A: 20 IU

  • Tiamina: .02 mg

  • Riboflavina: .05 mg

  • Niacina: .4 mg

  • Vitamina C: 10 mg.

  • Cálcio: 27 mg.

  • Ferro: 1,0 mg.

  • Fósforo: 43 mg.

  • Carboidratos: 9,6 gm.

  • Proteína: 1,6 gm.

  • Calorias: 42

A raiz de beterraba é um tratamento tradicionalmente utilizado para combater a leucemia. A terapia com beterraba, com consumo de aproximadamente dois quilos de purê de beterraba por dia, tem sido relatada favoravelmente para os casos de leucemia e tumores (incluindo câncer).

Pesquisas também mostram que o suco de beterraba pode ajudar a inibir o desenvolvimento de câncer de cólon e do estômago. Acredita-se que a beterraba vermelha quando comida regularmente pode ajudar contra o estresse oxidativo causados por certos transtornos.

A fibra de beterraba vermelha ajuda a reduzir o colesterol sérico em 30 a 40%, também pode ajudar a normalizar a pressão arterial. Beterraba ajuda a manter a elasticidade das artérias, quando consumido regularmente pode ajudar a prevenir varizes.

O teor de ferro da beterraba vermelha, embora não seja alto, é da melhor qualidade que o torna um poderoso limpador e construtor do sangue. Esta é a razão pela qual a beterraba é muito eficaz no tratamento de muitas doenças causadas por tóxicos e poluição.

O suco de beterraba é altamente alcalino que o torna eficaz no tratamento da acidose. Beber regularmente o suco pode ajudar a aliviar a constipação.

Suco de beterraba e suco de cenoura, quando combinado é excelente na cura de gota, problemas nos rins e na vesícula biliar, também pode ajudar nos seguintes problemas, dores de cabeça, dores de dente, disenteria, lumbago, problemas de pele, problemas menstruais, etc.

O suco de beterraba é muito forte, não tome muito se seu corpo ainda não está acostumado, aconselha-se aumentar a quantidade de ½ raiz de beterraba de tamanho médio para 1 a cada semana. O suco é tão forte que você pode sentir tonturas durante a limpeza, este desconforto é normal, pois as toxinas estão sendo eliminadas. É aconselhável beber bastante água para ajudar na eliminação de toxinas. Quando você começar a comer beterraba regularmente, você verá uma cor vermelha na urina ou fezes, não há nada para se preocupar pois esta é apenas a cor da beterraba. Quando a beterraba é cozida parte de seu conteúdo de nutrientes é destruído, você pode consumi-la como suco ou crua.

Referências:

Detopoulou P, Panagiotakos DB, Antonopoulou S, Pitsavos C, Stefanadis C. 2008. Dietary choline and betaine intakes in relation to concentrations of inflammatory markers in healthy adults: the ATTICA study. Am J Clin Nutr. 87(2):424-30.

Ilnitskii AP, Iurchenko VA. Effect of fruit and vegetable juices on the changes in the production of carcinogenic N-nitroso compounds in human gastric juice. Vopr Pitan. (4):44-6 1993.

Ishizuka S, Tanaka S. 2002. Modulation of CD8+ intraepithelial lymphocyte distribution by dietary fiber in the rat large intestine. Exp Biol Med. 227(11):1017-21.

Olthof MR, van Vliet T, Boelsma E, Verhoef P. 2003. Low dose betaine supplementation leads to immediate and long term lowering of plasma homocysteine in healthy men and women. J Nutr. 133(12):4135-8.

Zeisel SH. 2008. Is there a new component of the Mediterranean diet that reduces inflammation. Am J Clin Nutr. 87(2):277-8.

Postar um comentário